Sou poeta, obstetra das palavras
Saiu da alma, virou poesia
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

O outro lado da moeda
Os dois lados da moeda

Gosto muito de confrontar os dois lados da moeda
O que seria o mundo sem o controverso?
O que seria de mim sem o meu particular recesso?
O que seria dos meus rabiscos, se não fossem meus versos
Nunca somos tudo, muito menos o resto
Falamos todos a mesma língua, mas em diferentes dialetos
In dubio pro reu
Não existiria o inferno, se não houvesse o céu
O que seria da caneta, se não existisse o papel
Tenho um lado que é do bem, pura verdade, mas as vezes prático maldade
Muitas vezes estou vestindo roupas caras
Mas nua está minha alma
Só depois de uma tempestade, é que vem a calmaria
Só aprendemos a rezar, só ficamos de joelhos, depois de um grande medo
Queremos saber sempre a verdade, mas escondemos de nós mesmos, nossos segredos
Achamos que somos Santos, mas vivemos apontando o dedo
Pensamos que somos livres, mas no
fundo estamos todos presos
Presos dentro de nós mesmo, presos nos nossos próprios medos

Eu duvido de mim mesmo, debato com o meu saber, coisas que eu quero entender
Eu penso que existo, dentro do meu sumiço
Eu assumo tudo isso, mesmo sendo um pouco omisso, estou fechado com meu compromisso
Tomara que meus pensamentos sejam infinitos, pois finito eu sou

Jonas Luiz
05/02/18

Poeta Jonas Luiz
Enviado por Poeta Jonas Luiz em 05/02/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras