Sou poeta, obstetra das palavras
Saiu da alma, virou poesia
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

De onde vem?
De onde vem?

Esse grito que não cala, que está preso na minha consciência e nunca para, ensurdece a alma
Essa voz da minha razão, às vezes emudece, some e desaparece

De onde vem esse desejo de mergulhar dentro do nada, para tudo encontrar?
De onde vem essa fé cega, que tudo  me faz enxergar?
De onde vem esses sonhos loucos, que não me deixam acordar?
De onde vem todas essas fantasia, que encobrem a realidade dos meus dias?
De onde vem a noite, que é iluminada pelo luar?
Por que esse medo, se eu quero todos os segredos desvendar?
De onde vem esses sons que eu ouço desse eterno gravitar?
Por que tantas cores? Se muitos nem consegue enxergar?
De onde vem a cura de um desamor? Lugar difícil de encontrar
De onde, para onde, o que se esconde, de que a gente se esconde?
Por que esse eterno esconde-esconde?
Por que muitas vezes nos fingimos de avestruz?  Preferimos o escuro ao invés da luz?
Quem inventou esse tal de tempo que a gente não sabe se quer que passe rápido ou se fique parado no nosso momento?

De onde vem pra onde vai a vida?
Nossa que pergunta atrevida
Ainda não encontrei ninguém que soubesse me responder
Então só me resta viver

Jonas Luiz
São Paulo, 16/02/2/18

Poeta Jonas Luiz
Enviado por Poeta Jonas Luiz em 16/02/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras