Sou poeta, obstetra das palavras
Saiu da alma, virou poesia
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

A mente que cria, também atrofia
A mente que cria, também atrofia

A mente  nunca mente
Ela é igual uma semente
A mente é criativa
A mente é destrutiva
Na mente sou rei supremo
Na mente sou decrépito demente
Na minha mente sou inconsequente
Na minha mente estaciono num sono
Perco a minha posse, consciência que distorce
Na mente, mentalizo, materializo
Vislumbro o Shangrilá e também o abismo
A mente cria muitas histórias
As linka na memória
A mente trai, distrai e atrai
A mente me faz contumaz
Só eu somente com a minha mente
Somente eu
Só eu sou capaz de criar, de aniquilar
De me aniquilar com o que minha mente possa pensar
Minha mente já estagnou-se
Minha mente já acelerou
Na minha mente já viajei
Na minha mente já voei
Sempre fui, mas voltei
A mente nunca mente
É uma visão reluzente
Hoje minha mente viajou na poesia
Hoje é só(mente) alegria

Jonas Luiz
São Paulo, 05/03/18
Poeta Jonas Luiz
Enviado por Poeta Jonas Luiz em 05/04/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras