Sou poeta, obstetra das palavras
Saiu da alma, virou poesia
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

Lixo e luxo
Lixo e luxo

No meio do lixo, com olhar fixo
Fixo no luxo, fico disléxico
Execrado complexo
Sem nexo no meu anexo

Uma eterna rixa, a vida capricha
Demorou para cair a ficha
Vivendo que nem lagartixa
Numa fé que espicha

Caminho escorregadio
Destino vadio
Igual a correnteza de um rio
Um completo desvario

No meio do lixo, achando que é luxo
Seguindo o fluxo, enchendo o bucho
Alguma coisa puxo, meu lado bruxo
Sem conter o afluxo, tenho um refluxo

E quando afrouxa o que já está frouxo
É Porque afrouxou ainda mais o feche
Não abaixo o queixo, não me rebaixo
Me encaixo na caixa, não fico cabisbaixo

Pego o meu crucifixo, toco o meu contrabaixo
Fixo o olhar, não sou lixo, nem luxo
No meu lixo eu sou um luxo

Solto os meus bichos, todos têm meu prefixo
É minha marca fixa, esse é o desfeixo
É meu encaixe é praxe
Então sente e relaxe

Se você acha que nada encaixa
Que tudo tá fora da caixa
Aí você se perde, não se acha
A vida vira lixo, você não é gente

Você é um lixo, é isso?

Jonas Luiz
08/07/18
Poeta Jonas Luiz
Enviado por Poeta Jonas Luiz em 08/07/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras