Sou poeta, obstetra das palavras
Saiu da alma, virou poesia
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

No obscuro da noite
No obscuro da noite

No escuro da noite eu enxergo uma obscura alienação
Gente amarrada e acorrentada em seus grilhões
Medos e fantasmas, almas com asma, uma intrigante dominação

A boca da noite que engole gente sem dente
Corpos vazios tornam macia a mastigação
Um banquete farto para uma farta degustação

A noite não é criança é uma senhora que domina suas poucas horas
Seus olhos arregalados observam tudo e todos
Os seus ouvidos conseguem ouvir todos os gritos de socorro

Na noite nada e puro com seus seres impuros
Corpos em exposição, hálitos de alcatrão
O silêncio e quebrado com constantes tilintar
Só param quando a alma se quebrar

Quando amanhecer e o obscuro desaparecer
O sol vai torrar toda essa noite nefasta
Porque os corpos vadios e vazios já estavam pedindo um basta

Jonas Luiz
São Paulo, 28/07/18

Poeta Jonas Luiz
Enviado por Poeta Jonas Luiz em 03/08/2018
Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras